CNAES para as lan houses

O IBGE mudou, para melhor, o enquadramento nas subclasses CNAE das unidades econômicas que oferecem acesso à Internet. Com isto, ficou muito mais fácil para uma Lan House se formalizar.

Acesse o texto com os CNAES indicados AQUI.

Anúncios

Projeto de Lei para legalizar as lan houses

Por Hiran Eduardo Murbach

Existe um Projeto de Lei tramitando no Congresso, de número 4.361, de 2004, do Sr. Vieira Reis, que “modifica a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que “dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, estabelecendo limites ao funcionamento de casas de jogos de computadores. E toda terça-feira uma Comissão para discutir esse assunto se reúne, com transmissão ao vivo pela Internet. Acompanhe e veja o conteúdo das reuniões anteriores: http://www2.camara.gov.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes…

A importância de tudo isso? ENORME! Este projeto vai se tornar a lei que vai regulamentar as Lan Houses. Por isso mesmo é que todos nós devemos nos envolver, conhecer o projeto de lei, usar seus contatos para que esta lei seja justa para todos nós.

Licenciamento de software em Lan House

Por Marcel Fukayama

Parte importante no investimento inicial e manutenção de qualquer Lan House, o licenciamento de software sempre foi um ponto de dúvidas, incertezas e irregularidade no setor.

Os grandes players do mercado, como Microsoft – para sistema operacional e aplicativo de escritório – e Electronic Arts – para games, tem dificuldades em desenvolver soluções que atendam às necessidades específicas do mercado.

Caso busque uma solução existente no mercado, como licenças Box / Full – aquelas compradas no varejo, produtos de prateleiras, ainda assim há irregularidade. O contrato de licenciamento de uso não permite que o software seja sub-locado e explorado comercialmente. Surge a pergunta se a Lan House loca o hardware ou software.

Hoje, a Electronic Arts já possui uma solução paliativa para Lan Houses. Com um preço pouco menor do que o praticado no varejo, é possível adquirir games e, após assinar o contrato específico, estar considerado formalizado pela empresa.

A Microsoft, no entanto, ainda está trabalhando em um modelo de licenciamento de baixo custo para Lan Houses levando em conta o impacto social e demandas do canal. O CDI Lan, iniciativa do CDI que visa transformar o setor em centros de serviços sociais de qualidade, tem buscado soluções alternativas junto à filial brasileira da empresa e em breve terá novidades.

A relação da inovação frente à velocidade de movimentação das empresas é um desafio que esperamos superar. O mercado gerou a demanda e, devido à complexidade do canal, o CDI Lan, junto ao projeto Sebrae-CDI-Lan, está atuando junto aos parceiros traduzindo para que se gerem ações para atendermos a essa questão e que o licenciamento de software passe a não ser mais um problema na lista de formalização de uma Lan House.

Projeto de Lei sobre Lan Houses será debatido em SP e RJ

A Comissão Especial dos Centros de Inclusão Digital da Câmara dos Deputados realizará conferências em São Paulo e no Rio de Janeiro para debater o Projeto de Lei 4361/04 que regulamenta o funcionamento das lan houses no país.

Segundo o autor do requerimento, aprovado na terça-feira, 4, deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), a realização dessas conferências contribuirá para o aprimoramento do debate sobre o tema. Representantes de entidades que atuam na questão da inclusão digital e de lan houses serão convidados a participar. As conferências ainda não têm datas para ocorrer. As informações são da Agência Câmara.

SEBRAE e o CDI-LAN envolvem lan houses em Guarulhos

Por Bruno Cirillo

O projeto ganha disseminadores em locais distintos da cidade

Dois proprietários de lan houses em Guarulhos aderiram o projeto Sebrae-CDI-Lan aos seus estabelecimentos. Eles querem promover cursos de profissionalização e programas de formalização do Sebrae por vias online.

Tudo é bem vindo, desde que seja legal. Eu vejo essas parcerias como um bem maior para os clientes”, disse Antônio Aparecido, o dono da Work Play, que fica no Shopping Park Center, no Parque Cecap.

O estabelecimento de Aparecido é um exemplo a ser seguido em Guarulhos. Funciona há nove anos, trouxe a banda larga para a região em que atua, opera com 24 computadores, sendo que todos apresentam fones de ouvido (headphone) e, alguns, câmeras de vídeo (webcam).

Dentre os serviços oferecidos pela Work Play, há impressão, gravação de CDs e DVDs e os games tradicionais. Na geladeira detrás do balcão, bebidas de todos os tipos – com exceção das alcoólicas – estão à venda. “Só não vendo fraldas”, brincou o proprietário.

Ele exige cadastramento prévio de todos os clientes e mantém a documentação atualizada. “Eu vi várias lan houses grandes surgirem em Guarulhos, mas todas quebraram. O motivo: softwares piratas”, relatou.

Mais à periferia da cidade, o dono da Microchips, José Carlos Vasques, elogiou a iniciativa do Sebrae-CDI-Lan. “Essa idéia é boa. Não pelo lucro da lan, mas para a população conseguir melhorar o seu nível de emprego”, declarou. Uma das ações do projeto consiste em divulgar, através das lan houses, os cursos de profissionalização do Sebrae.

Vasques contou que está em busca de um assistente, que saiba escrever, para trabalhar no seu estabelecimento. A procura já perdura há alguns meses, mas ele ainda não conseguiu encontrar ninguém capacitado para o emprego. “Se o bairro melhorar, quem trabalha aqui melhora também. Eu tenho interesse em que a população melhore”, disse.

A Microchips oferta serviços diversificados, que vão desde os mais comuns, como os games e a Internet, até a manutenção de máquinas e edição de vídeos – a loja conta com uma ilha de edição profissional. Além desses diferenciais, uma monitoria é prestada a quem precisa fazer o uso dos computadores e não sabe como. Essa é uma cortesia da casa que talvez explique os “muitos clientes fiéis” comentados por Vasques, que estão entre as 5.500 pessoas cadastradas no sistema da Microchips.

Ação Conjunta

A equipe do Sebrae-CDI-Lan manterá contato com os dois proprietários de Guarulhos para desenvolver um plano de ação conjunta. Inicialmente, eles serão orientados a divulgar os programas de capacitação profissional e formalização do Sebrae.

Nos bastidores do projeto, estão sendo elaborados selos que identificarão quais ações os estabelecimentos parceiros praticam. Esses certificados serão uma forma de mostrar que as lan houses podem ser um espaço para o desenvolvimento social e empreendedor, além da usual fonte de comunicação e entretenimento.

Bruno Cirillo

Comunicação – CDI Lan/SP

Boa parte das lan houses funcionam ilegalmente no Brasil

Alexandre Garcia, comenta no Bom Dia Brasil (Globo) sobre a ausência de fiscalização nas lan houses.