Lan house e inclusão digital

Muita gente pensa que inclusão digital é ter computador em casa. Não é. Antes de qualquer coisa, inclusão digital é a democratização do acesso às tecnologias, não importa se em casa, no trabalho ou na lan house. A questão não é ter computador, mas o que fazer com o computador.

As dúvidas são muitas. Algumas bem técnicas e complexas, outras simples. Não à toa, há cinco anos o artigo “Inclusão digital: o que é e a quem se destina?” é um dos mais lidos e mais comentados na seção de tecnologia do Universo Online.

Vale a pena ler com cuidado e anotar todas as suas dúvidas, além do nome dos autores internacionais abordados na reportagem.

Depois, conheça (para divulgar na sua lan house) quais são os programas de inclusão digital no Brasil e visite também o site oficial da inclusão digital no governo federal.

Consultoria em informática educativa

A mãe de um cliente entra na sua lan house e pergunta: o que você pode oferecer para meu filho além de jogos e Orkut?

A sua resposta pode decidir o retorno (ou não) do cliente.

O que você tem a oferecer além da conexão internet? Você saberia dizer o nome de ao menos três jogos educativos que as crianças gostam? Você saberia informar ao cliente que tipos de cursos ele pode fazer na sua lan house?

É importante ler, ler muito. Conhecer os principais sites, revistas, boletins educativos. Conversar com as crianças e adolescentes. Basta 15 minutos com um deles e você vai ficar sabendo quais são os jogos que fazem a cabeça da criançada.

Para explicar um pouco mais a informática educativa, é obrigatório entender melhor esse conceito pela Wikipedia.

Lançamento do Projeto Sebrae-CDI-Lan

Jogos também educam

Muita gente usa lan house apenas para jogar no computador. Na opinião de muitos, apenas perda de tempo, embora o assunto seja pra lá de controverso e polêmico. Veja algumas análises de psicólogos e especialistas nesta reportagem sobre o assunto. Para a designer e artista gráfica Julia Stateri, por exemplo, os games também pode ter responsabilidade social.

E na sua lan house, que tal oferecer jogos educativos? Você poderá atrair tipos bem distintos de público, além de melhorar bastante seu poder de argumentação com pais e familiares – desde que o acesso das crianças seja realmente educativo, é claro.

Uma segunda casa para os jovens

Em muitos bairros e em cidades do interior, é comum a lan house se tornar uma segunda casa para crianças e adolescentes. Apesar de ser uma grande oportunidade de negócio, os problemas também merecem atenção. Em comentário no blog, o engenheiro Paulo Pastore alerta que lan house pode ser um “bom lugar para proliferação de amizades das mais estranhas”, por exemplo.

Em diversas reportagens e estudos acadêmicos, a aproximação da lan house é vista sob vários ângulos por psicólogos, educadores e analistas. Ocorre que a lan house também pode ser muito saudável não apenas para seus negócios, mas também para os jovens, como bem explica o leitor Carlos Donato, dono de uma lan house há quatro anos. O mais importante do relato desse empreendedor é o fator educação e informação, como já vimos anteriormente aqui neste post.



Educação e conhecimento, um novo filão

As universidades deveriam se transformar em redes coletivas de ensino compartilhado, gratuito e sem amarras na internet. Ao menos é o que acreditam Héber Sales e Tarcízio Silva neste excelente artigo.

Enquanto isso não acontece, é bom ficar de olho na vontade dos usuários que usam lan houses Brasil afora. Embora a maioria seja adepta de ferramentas de redes sociais como Orkut, Messenger e outros atividades parecidas, uma boa parcela vai atrás de educação e treinamento.

Como diz o ditado popular, aqui o empreendedor pode juntar a fome com a vontade de comer. Ou seja, essa busca por treinamentos, aliada ao alto nível de desemprego no Brasil, abre um leque de oportunidades para a lan house fidelizar ainda mais a clientela. Reflita sobre quais seriam as possibilidades você pode oferecer aos usuários que querem estudar para concurso público, por exemplo.

Em breve voltaremos com dicas.

Lan House é um bom negócio?

Nós, do SEBRAE não temos como indicar quais negócios podem ser iniciados, contudo orientamos que isto seja sempre feito com o enfoque das”oportunidades percebidas”, ou seja, que o tipo de negócio pensado para uma determinada cidade sinalize boas perspectivas de vendas, o que na prática significa estar satisfazendo necessidades de clientes.

Para cada negócio pensado, procure e encontre respostas para estas questões, que se respondidas sinalizam grandes chances de sucesso para o investimento, são elas:

– O que será feito em sua empresa, seja ela qual for para atrair clientes, na prática, isso é fazer com que eles venham fazer compras em sua empresa.

– Qual o preço de venda que compense e que torne sua empresa, seja ela qual for, mais competitiva.

– Entenda mais competitividade em preços de venda quando o valor do preço encontrado em cálculos em sua empresa for inferior a preço praticado pelos seus concorrentes diretos.

– Qual a quantidade ideal de vendas para que consiga atingir o lucro planejado para a rentabilização do capital investido, na prática, isso é a itenção de retorno do capital investido.

– Como sua empresa funcionará, organização e sistematização, ao ponto até de pensar isso imaginando que você não estará o tempo todo presente. Isso é ter um empreendiemento que possa funcionar ainda que sem a presença constante do(s) “dono(s)”. – e o que será sempre realizado para que não tenha desperdício, ou melhor, que o desperdício seja igual a zero.

– Lembre que tudo na empresa, mas tudo mesmo, representa custo/gasto, o prédio, as pessoas, o capital, os equipamentos, e outros, então quanto mais e melhor estiverem sem utilizados menor ou mais próximo de zero estará sendo o desperdício.

– O empreendimento sobre o qual você conseguir mais respostas e caminhos para estas questões certamente é aquele que apresenta mais proximidade com o domínio.

Interiorização: amplo mercado disponível

Segundo a PNAD mais recente (2008), 35% das conexões à internet no Brasil são feitas em lan houses. Ocorre que este número surge a partir da média do país inteiro. No interior e em cidades menores, o potencial da lan house ainda é um nicho pronto para ser explorado pelos empreendedores.

Veja o caso das regiões Norte e Nordeste, por exemplo. Segundo dados levantados pelo Comitê Gestor de Internet (CGI.br), cerca de 70% (ou seja, o dobro da média nacional) das conexões surgem das lan houses. O CGI acredita que a participação das lan houses no mercado de acessos é ainda maior do que apontado pelo IBGE.

Esses números podem ser ainda melhores para empreendimentos no setor. Embora ainda não haja dados oficiais, sabe-se por amostragem que, ao mesmo tempo em que há mais lan houses nas cidades do que no interior, a dependência (e importância) delas é menor nos centros urbanos.

Em outras palavras, mais vale uma lan house numa cidade menos desenvolvida do que dez lan houses em uma cidade grande.

Mapeando o comportamento dos usuários

O que as pessoas fazem na internet? Eis aí uma das principais perguntas que movem  pesquisadores e acadêmicos. Agora, as respostas podem ajudar você, empreendedor interessado em montar uma lan house do futuro ou melhorar o seu atual negócio.

Pesquisas empíricas e por amostragem revelam um dado muito interessante sobre o comportamento das pessoas na internet. Nas cidades e no interior, elas procuram basicamente a mesma coisa.

Na área urbana:

  • 90% dos usuários utiliza para comunicação,
  • 83% para busca de informações
  • 72% para educação e treinamento

Na área rural, a utilização é bem parecida

  • 87% utiliza para comunicação
  • 77% para busca de informações
  • 67% para educação

São três tópicos (comunicação, informações e educação) que abrem um leque enorme de possibilidades para o empreendedor. Falaremos mais sobre cada uma delas em breve.

Cenário 5: Ponto de Atendimento do Sebrae

Uma das melhores formas de uma LAN House do Futuro apoiar o empresário de Micro e Pequena Empresa é ser um Ponto de Atendimento do Sebrae. Para isso, os donos e funcionários da LAN House seriam capacitados para prestar diversos serviços do Sebrae.

Um dia na “LAN House do Futuro”:

Cláudio deseja abrir um negócio próprio, mas não sabe como levar sua idéia adiante. Sua esposa falou para ele dar uma passada na LAN House perto da sua casa, pois viu que ela tem um selo de “Ponto de Atendimento do Sebrae”. No dia seguinte Cláudio foi na LAN House e perguntou se eles poderiam dar informações sobre como abrir sua empresa. O atendente, com identificação do Sebrae, levou o Cláudio para um dos computadores e mostrou o site do Sebrae. Juntos, eles navegaram por diversas páginas, onde o atendente explicou os passos necessários para abrir uma empresa, mostrou informações de mercado e indicou alguns cursos online do Sebrae. Cláudio viu que tinha muito trabalho pela frente e resolveu voltar outros dias para aprofundar seus conhecimentos. Com certeza, a LAN House Ponto de Atendimento do Sebrae abriu os olhos de Cláudio e fez com que ele tivesse cada vez mais vontade de ter o seu próprio negócio.

Dê sua opinião: